Temperatura e Fluxo de Calor em casos de Incêndio

Apesar da conscientização dos riscos inerentes à área de combate a incêndio
ter melhorado consideravelmente nas últimas décadas, muitas questões sobre como aumentar a segurança do bombeiro por meio de melhores equipamentos de proteção individual ainda não foram respondidas! Isso faz com que este assunto ainda seja largamente pesquisado em grandes centros pelo mundo, inclusive com o objetivo de melhorar as normas existentes, ou mesmo criar novas normas.

E só com um maior conhecimento de como um incêndio se desenvolve e, conseqüentemente, do ambiente a que o bombeiro está exposto é que será possível buscar uma maior proteção para o bombeiro, melhorando os
níveis de segurança dos seus equipamentos de proteção individual, principalmente por meio do desenvolvimento de normas e padrões para estes equipamentos.

Nos últimos anos, com a implantação do projeto de modernização dos
procedimentos de combate a incêndio, o treinamento de combate a incêndio passou a ser realizado em um sistema composto de contêineres, similar ao existente em diversos países da Europa e América no Norte. Este sistema foi apresentado pela primeira vez em uma palestra realizada no X SENABOM
realizado em Belém/PA, em 2008.

Com o objetivo de melhor compreender o desenvolvimento dos incêndios e a
sua influência diretamente nos bombeiros, diversos treinamentos são monitorados por meio de sensores termopares, tanto no ambiente, quanto no equipamento de proteção individual dos bombeiros, como por exemplo, na face interna e externa da roupa de proteção e nas máscaras de proteção respiratória. Além de sensores termopares, foram também utilizados
medidores de fluxo de calor. Por meio dessas medições, foi possível verificar a temperatura e o fluxo de calor a que os bombeiros estão submetidos em uma situação de pré-generalização do incêndio (pré-flashover).

O serviço dos bombeiros é considerado, em geral, uma ocupação perigosa,
principalmente por estarem expostos a diversas condições térmicas geradas pelos incêndios.

Existem dois componentes principais da exposição térmica que impactam os bombeiros:

1. Fluxo de calor – Taxa de energia térmica transferida de uma região
mais fria para uma mais quente;

2. Temperatura – Medida direta da atividade molecular, ou seja, é a
medida da energia térmica.

Estes componentes são acoplados e em conjunto criam as condições que
oferecem risco para os bombeiros em um incêndio. Geralmente as pessoas associam o risco de se queimar à temperatura, mas ela é apenas parte da história. A temperatura é o resultado da energia gerada pelo incêndio e transferida como fluxo de calor para o ambiente e objetos, tais como o mobiliário, a roupa de proteção e a camada de fumaça.

Sendo assim, o fluxo de calor é o que causa a mudança de temperatura em um incêndio. De uma forma simples, o calor pode ser transferido de três formas:

Condução – transferência de calor por meio do contato direto entre as
moléculas do material em corpos sólidos;

Convecção – transferência de calor de um fluido em movimento até
uma superfície sólida ou para outro fluido;

Radiação Térmica – É a transferência de calor por meio de ondas
eletromagnéticas.

Cada uma dessas formas de fluxo de calor geram um impacto nos riscos de uma pessoa sofrer uma queimadura e elas causam uma mudança na temperatura sentida pelo bombeiro. Dessa forma, é importante lembrar que é a combinação do fluxo de calor e da mudança de temperatura resultante que causa queimaduras.

Para que o bombeiro diminua o risco de se queimar, é importante que ele
tente manter algum espaço com ar entre as diversas camadas da roupa de aproximação e entre a roupa de baixo, pois o ar atua como um isolante térmico.

Estudos realizados no pelo NIOSH e outros institutos comprovaram que caso haja um uma compressão, como um toque em um objeto ou em outros bombeiros, o calor armazenado nas camadas da roupa de aproximação será liberado mais facilmente, levando a queimadura no ponto onde houve a compressão.

A compreensão da dinâmica de um incêndio é essencial para a atividade de
prevenção, combate e investigação de incêndios. No combate ao incêndio, aliada a esta compreensão, é extremamente importante que o bombeiro tenha o conhecimento das condições que podem existir no ambiente em que ele estará trabalhando, de forma que ele possa ter uma noção mais clara dos riscos a que ele estará submetido. Com o sistema de treinamento de combate a incêndio atualmente utilizado no Corpo de Bombeiros Militares é possível simularmos situações próximas a um incêndio real, mas em
condições de controle e medição. Desta forma, foi possível monitorar, por meios de sensores, a temperatura e fluxo de calor a que os bombeiros estão submetidos quando em treinamento.

Nas condições de treinamento, foi evidenciado que os bombeiros podem estar submetidos a temperaturas de até 200ºC no lado externo da roupa de proteção e de 80º C dentro da roupa de proteção, podendo estar submetidos a picos de fluxo de calor próximos a 8 kW/m2.

Estes dados são importantes na avaliação e criação de normas sobre as roupas de proteção, bem como das máscaras de proteção respiratória.

Deixe nos comentários! Gostou do texto? Comente, deixe o seu “gostei” e compartilhe!

NR18 – PCMAT

Material agrupado encontrado na internet ou compartilhado em grupos de Telegram ou WhatsApp.

Você tem material e deseja compartilhar?

Entre em contato conosco através dos nossos grupos, disponíveis no link do menu superior.

Laudos Insalubridade/Periculosidade

Material agrupado encontrado na internet ou compartilhado em grupos de Telegram ou WhatsApp.

Você tem material e deseja compartilhar?

Entre em contato conosco através dos nossos grupos, disponíveis no link do menu superior.

PAE – Plano de Atendimento à Emergência

Material agrupado encontrado na internet ou compartilhado em grupos de Telegram ou WhatsApp.

Você tem material e deseja compartilhar?

Entre em contato conosco através dos nossos grupos, disponíveis no link do menu superior.

PPP – Perfil profissiográfico previdenciário

Material agrupado encontrado na internet ou recebido em grupos de WhatsApp e Telegram.

Você tem material e deseja compartilhar?

Entre em contato conosco através dos nossos grupos, disponíveis no link do menu superior.

Permissão de Trabalho – Modelos

Material agrupado encontrado na internet ou recebido em grupos de WhatsApp e Telegram.

Você tem material e deseja compartilhar?

Entre em contato conosco através dos nossos grupos, disponíveis no link do menu superior.

Você já foi vítima de acidente de trabalho?

Você já teve a experiência de ser uma vítima de acidente de trabalho?

Eu já!

Nada agradável, mas a verdade ainda é a mesma:
O maior prejudicado é o acidentado.

03 vértebras da coluna, escafóide esquerdo, 5º QDE e a tíbia direita deixaram isso bem claro!

Proteja-se! E busque uma empresa que lhe possibilite isso.

#soepinaobasta #segurançadotrabalho #acidentedetrabalho
Conte sua experiência nos comentários!

Risco de Incêndio: Qual a sua influência nas medidas de proteção?

Você sabia que as medidas de proteção adequadas para cada construção variam de acordo com seu risco de incêndio?

Conhecendo o risco que o lugar apresenta, é possível prepará-lo através do uso de equipamentos e produtos para proteção contra incêndios.

Por que escolher os equipamentos de proteção contra incêndio corretamente?

Em nosso dia a dia, podemos verificar que os riscos de incêndio são inúmeros. Eles geralmente estão ocultos e você não consegue percebê-los até que seja tarde demais. Para entender a necessidade de ter todo o equipamento de proteção contra incêndio necessário, é interessante compreender como a maioria dos incêndios têm seu início.

Inicialmente, a fumaça e o fogo são pouco visíveis, se apresentando em um princípio de incêndio que,  se for contido nessa fase ele sequer chega a causar danos materiais, porém se torna mais difícil a detecção do fogo sem os equipamentos corretos.

Na sequência, o fogo começa apresentar um aumento de temperatura encontrando combustíveis para mantê-lo. Nessa fase ele já está mais difícil de controlar, mas ainda não impossível. Somente após consumir todos os combustíveis próximos acontece a combustão total, quando o fogo já é incontrolável.

Chegando nessa fase, o risco da perda material e possivelmente de vidas, é imenso!

Certamente, você não quer que seu local de trabalho atinja este último estágio de incêndio!  Por isso, é essencial garantir que seu empreendimento esteja equipado com todos os itens necessários para proteção contra incêndio, pois  sem eles, os riscos são altos e a chance de perdas irreversíveis é extremamente alta.

Classificação de Risco para Incêndios

Preste bastante atenção: essa classificação não significa que você pode abrir mão das medidas de proteção contra incêndio. Dependendo da classificação de risco do seu empreendimento, o número de equipamentos de proteção em cada área muda.

Em geral, são divididos em: Risco Leve, Risco Médio, Risco Alto.

O risco de incêndio de um local é calculado de acordo com a soma das energias caloríficas que podem surgir com a quantidade de combustível presente. Os itens inflamáveis que contam para esse cálculo podem estar presentes em toda a construção, incluindo revestimentos das paredes, pisos e tetos.

Portanto, quanto maior a presença de itens inflamáveis e combustíveis, maior o risco de incêndio. Assim, é possível prevenir-se ao utilizar os equipamentos mais adequados, na quantidade e posicionamentos corretos.

Para melhor entendimento, iremos detalhar alguns tipos de construções que se encaixam em cada tipo de risco de incêndio. Um pequeno detalhe: a melhor prevenção acontece ainda em estágio de obras. Então não deixe para depois!

Risco Baixo

Em geral, estas edificações não possuem muito combustível no seu interior ou revestimento. Eles podem ser locais: Residenciais, Prédios Públicos, Escolas, Comércios, Microempresas, Empresas de pequeno porte e Microempreendedores Individuais.

Tome cuidado com a categoria de comércios! Na verdade, é preciso analisar caso a caso para ter certeza que o risco de incêndio é realmente leve. Um comerciante de bebidas destiladas, por exemplo, possui um risco bastante alto de incêndio na sua loja. Ao mesmo tempo, um comércio de jóias tem o risco razoavelmente baixo.

Analise as situações individualmente para ter certeza que está aplicando as medidas de proteção de incêndio adequadas. Além disso, muitos dos prédios considerados como risco de incêndio leve são usados para reunião de pessoas, como escolas e áreas residenciais. Por isso, as medidas de proteção contra incêndio ainda sim, são essenciais.

Os riscos podem ser baixos, mas caso o fogo aconteça ele pode gerar caos, tumulto, perda material e até mesmo mortes.

Risco Médio

Construções com risco médio possuem algum material combustível, porém não o suficiente para criar um acidente grande. Elas devem investir em medidas de proteção mais rígidas para garantir sua segurança. As áreas incluídas nessa classificação são: Hospitais e Laboratórios, Garagens, Comércios, Indústrias.

Risco Alto

Estas edificações obviamente precisam de medidas de proteção contra incêndio extremamente bem planejadas desde a obra. Como os riscos são altos, a quantidade de equipamentos como sprinklers e alarmes de incêndio devem ser adequados. Entre elas encontramos: Comércios, Indústrias, Mistas, Especiais.

Depois de saber o risco de incêndio que uma edificação pode apresentar, é chegada a hora de adequá-la para ter a melhor proteção possível. Para isso, você precisará de equipamentos de proteção e procedimentos adequados.

Para conhecer mais sobre os equipamentos de segurança contra incêndio e a importância da realização dos procedimentos adequados em seu estabelecimento, você pode consultar artigos anteriores presentes no site.

Deixe nos comentários! Gostou do texto? Comente, deixe o seu “gostei” e compartilhe!

eSocial

Material agrupado encontrado na internet ou recebido em grupos de WhatsApp e Telegram.

Tem material sobre o assunto em gostaria de compartilhar?

Utilize o link Nossos Grupos no topo para entrar em contato conosco!