Bombeiras e a falta de adaptação das vestimentas de aproximação

Durante muitos anos a presença de mulheres dentro das corporações de bombeiros e de brigadas de emergência era visto com desconfiança, principalmente pelos homens. Apesar disso, muitas conquistaram seu espaço durante o tempo e mostraram competência na execução das difíceis tarefas impostas pela função. No Brasil, em algumas corporações estaduais, chegam a ter 10% do seu efetivo formado por mulheres.

Em estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade do Colorado (EUA) e publicado na revista “Internacional Journal of Industrial Ergonomics“, revelou alguns problemas ergonômicos enfrentados pelas bombeiras quanto as roupas de aproximação utilizadas durante o combate a incêndio.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O estudo reuniu 18 profissionais (9 homens e 9 mulheres), onde foram feitos levantamentos subjetivos sobre as vestimentas através de entrevistas, além da utilização de escaneamento 3D do corpo de cada um dos entrevistados. O principal problema identificado quanto as roupas foram as calças de aproximação. Os dados tridimensionais revelaram diferenças anatômicas significativas, principalmente na linha de base central utilizada para a definição parâmetros como o “fundo” da calça e a base para a cintura, causando desconforto durante a utilização. Outro ponto levantado, foi a ausência ajuste para melhor adequação da vestimenta.

Os resultados deste estudo sugerem evidências científicas dos problemas de adaptação antropométrica, que podem servir como base para a indústria de fabricação, visando oferecer maior segurança ocupacional e melhorar os sistemas de ajuste e dimensionamento, especialmente para as mulheres que usam uniformes projetados com base no físico masculino.

Conheça meu canal no Youtube, estamos também no Instagram e no Facebook. Siga o “Bombeiros Industriais” nas redes sociais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Fique por dentro das novidades

Participe e comente...

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: